"In your brown eyes

I walked away

In your brown eyes

I couldn't stay"

Quarta-feira, 11 de Agosto de 2010

Only by the night

Hey!

Peço desculpa pela demora, nao foi por crer, mas andei de férias e quando voltei esqueci-me que era a minha vez de postar. A Melanie lembrou-me mas a preguiça falou mais alto x.x

Espero que estejam a gostar *unf*

beijinhos para todas.

 

 

 

13º Capitulo

- Kim, acorda. – Mia abanou a amiga que insistia em não acordar e afundar-se cama vez mais na sua cama. – Acorda, rapariga. – Voltou a insistir.

- Hum. – Grunhiu ensonadamente. – Qual corda? – Virou-se de barriga para baixo e tapou a cabeça com a sua almofada.

- Não é corda nenhuma, sua parva. É para acordares! – Abanou-a novamente.

- Que horas são? – Questionou com a voz abafada pelo colchão.

- São quase nove e meia da manhã. Vá lá, levanta-te. – Tirou-lhe a almofada de cima da cabeça.

- Mia, é sábado. – Virou-se de costas para ela. – Nós não temos aulas. – Tapou-se com o lençol até às orelhas.

- Eu sei que nós não temos aulas. – Revirou os olhos. – Não queres vir comigo assistir a um ensaio da banda dos gémeos? – Sorriu vitoriosa assim que Kimberly se destapou e a olhou interessada. – Como hoje é sábado e nenhum deles tem aulas ou trabalha, eles decidiram fazer um ensaio. Assim sempre conheces os G’s. – Acrescentou.

- E eles não se importam que eu vá? – Elevou uma sobrancelha.

- Claro que não. – Abanou a cabeça. – Vá. Levanta-me esse rabo da cama e vai tomar um banho e despachar-te para irmos para a garagem da casa do Georg. – Dizia enquanto a puxava para fora da cama e a empurrava logo a seguir para o interior da casa de banho.

Kim iria refutar, se a porta atrás de si não tivesse sido fechada de imediato. Dirigiu-se para junto do espelho e observou a sua imagem reflectida no mesmo. As olheiras já se faziam notar, devido às intensas horas de estudo. Tudo mudava com o começo das aulas. Agora era a faculdade, o seu trabalho que estava em jogo.

Despiu-se lentamente, não deixando de ver as suas formas corporais. Apercebeu-se do quanto era bela. Da sua beleza simples e natural que permanecia escondida no dia-a-dia. Abriu a torneira da banheira, para que a água fria escorresse primeiro, enquanto aquecia.

Sorriu e entrou para a banheira, arrepiando-se com a água quente. Deixou que toda a sujidade e stress fossem pelo cano abaixo e envolveu-se com uma toalha, seguindo para o quarto.

- Vais vestir isto. – Mia mostrou-lhe a roupa.

- O quê? – Agarrou na roupa interior e começou a vestir-se, enquanto se secava.

- Depois vou-te maquilhar um pouco.

- Porquê? Só vou ver um ensaio de uma banda de garagem, não vou sair para nenhum bar. – Ripostou.

- Tens de andar sempre arranjada, Kim.

- Como queiras. – Bufou acabando por se render.

*

- Podemos? – A loira perguntou espreitando por entre a porta entreaberta de uma garagem pertencente a uma bela e não muito grande casa amarela.

- Claro, Mia. Entra. – Um rapaz de olhos esverdeados e cabelos lisos e castanhos convidou; encontrava-se sentado num banco tentando afinar um baixo. Ficou curioso assim que reparou que Mia não vinha sozinha. – Trouxeste companhia. – Afirmou levantando-se e pousando o seu instrumento num sofá bege de dois lugares que ali se encontrava. – És a Kimberly? – Ele perguntou com um sorriso encantador nos lábios.

- Kim. – Ela corrigiu sorrindo acanhada. – Sim. – Acabou por confirmar.

- O Tom falou-me muito de ti. – Ele explicou ao ver o ar questionador que a rapariga lhe lançava. – Sou o Georg. – Apresentou-se, dando-lhe depois um beijo em cada bochecha da morena que corou instantaneamente.

- Onde está o resto do pessoal? – A loira interrompeu a conversa dos dois.

- O Gustav foi agora mesmo à casa de banho. Os gémeos ainda não chegaram. – Georg respondeu. – Estão atrasados, como sempre. – Revirou os olhos.

- Para variar… - Ela balbuciou, despindo o enorme casaco e colocando-o num cadeirão.

O de olhos verdes gargalhou, dando um gole na garrafa de Coca-Cola.

De relance, o rapaz loiro saltou os quatro últimos degraus da escadaria de madeira. O seu olhar cruzou-se com o de Kim e aí, corou ligeiramente. Não esperava que Mia estivesse ali tão cedo, com uma companhia.

- Hey! – Ele saudou, beijando as bochechas rosadas de Mia. – Sou o Gustav. – Imitou o gesto anterior, com Kimberly. – Kim, certo? – Sorriu-lhe.

Ela anuiu, balançando a cabeça. Ele agarrou nas baquetas e rodou-as, como entretenimento. A morena encolheu-se no sofá. Os seus braços eram bem fortes e musculados.

- Onde estão os Kaulitz? – O loiro indagou, andando de um lado para o outro, enquanto rodopiava as baquetas perante os seus dedos ágeis.

- Ainda não vieram. – Georg pousou o refrigerante em cima da mesa.

- Boa tarde! – Todos os olhares se centraram na entrada da garagem, onde Bill entrava, seguido por Tom, que fechava a porta, atrás de si. – Desculpem… - O de cabelo preto disse, meio envergonhado.

- É. A culpa foi o Bill. Meio milénio para se maquilhar e pentear. – O de tranças falou com ironia, olhando de relance para Kimberly.

- Vocês são sempre a mesma coisa. – O baixista da banda abanou a cabeça. – O menino Bill tem de começar a acordar mais cedo para depois ter todo o tempo do mundo para conseguir “apanhar um choque” em condições.

- Oh, vá lá, Georg. Não comeces. – O vocalista pediu enquanto se dirigia para o seu lugar, atrás do microfone, no pequeno palco improvisado. – E que tal começarmos? – Sugeriu ansioso por começar a fazer uma das coisas que mais lhe dava gozo na vida: cantar.

- É melhor. – Mia falou enquanto indicava a Kimberly que se sentasse num banco ao lado do seu, de frente para a banda.

Todos se dirigiram para os seus respectivos lugares. Bill tossiu para aclarear a voz e fez um gesto que indicava que estava pronto. Ouviu-se o som das baquetas do bateristas baterem três vezes uma na outra e então os primeiros acordes de guitarra soaram, seguidas pelo baixo e então pela voz do vocalista.

Empty streets

I follow every breath into the night

The winds are cold

The sun is frozen the world has lost its light

I carry your picture deep in me

Back to you over a thousand seas

Back to us

 

Don't you lose your trust and your belief

Just trust me

 

We have to go a thousand oceans wide

One thousand dark years when time has died

A thousand stars are passing by

We have to go a thousand oceans wide

A thousand times against an endless tide

We'll be free to live our life

 

I know somewhere

We'll find a little place for you and me

It all turned out a different way

Can't feel the pulse in our veins

So weak today

We let our heartbeat guide us through the dark

Just trust me

E sem se dar conta, no refrão, Kim começou a acompanhar a voz de Bill com a sua. Completamente alheia ao que os outros poderiam achar ou que descobrissem o segredo que compartilhava com Tom.


De caty a 11 de Agosto de 2010 às 22:40
Olá
Ela cantou e eles vão ouvir a voz dela e vão facar impressionados como o Tom ficou.
Bjs


Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.


Autoras:

Pesquisar:

 

Recente:

Only By The Night

Only by the night

Only by the night

Only By The Night

Only By The Night

Only By The Night

Only By The Night

Only By The Night

Only By The Night

Only By The Night

Arquivos:

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Fic's:

Only by the night

Marie

Blood

Quando eu crescer II